Robôs vão roubar o trabalho chato: entenda as vantagens da automação

Robôs vão roubar o trabalho chato: entenda as vantagens da automação

Economize tempo com atividades rotineiras e foque no que realmente faz a diferença.

O mais recente medo de profissionais do mundo todo é ter seu trabalho substituído por robôs. Depois de ver parte dos atendentes de banco serem trocados por caixas automáticos e ouvir sobre a chegada dos táxis que se pilotam sozinhos, é normal ter um certo medo de ver a própria profissão substituída por um punhado de algoritmos.

No entanto, não há motivo para pânico. Segundo o estudioso italiano Federico Pistono, os robôs vão mesmo roubar nossos trabalhos e tudo bem: isso fará com que a sociedade toda seja alterada, fazendo com que dediquemos mais tempo a atividades que tenham mais propósito.

Enquanto não chegamos lá, uma boa forma de encarar os dias com um sorriso no rosto é usando os robôs para o que eles são mais úteis: realizar tarefas repetitivas.

Coloque as máquinas para fazer o que você não gosta

Não faz muito tempo que a única forma de encontrar uma palavra em um texto era lendo-o novamente. Hoje, qualquer editor de texto tem a função “buscar” pra rastrear a palavra em pouquíssimos minutos. Vai dizer que você não gosta dessa automatização?

Transformar tarefas chatas em processos automatizados é tão útil e reconfortante que muitos aplicativos e serviços têm nisso a base do seu sucesso: apps como IFTTT e Zapier automatizam tarefas baseados em diversos tipos de “gatilhos’, enquanto serviços como Dropbox e Google Drive têm conquistado novos clientes ao oferecer  backup de fotos e arquivos que funcionam “automagicamente”.

Além de executar tarefas repetitivas que as pessoas normalmente acham chatas, os robôs e algoritmos também tem o excelente hábito de fazer tudo sem se cansar e, em geral, de forma muito mais precisa do que um humano poderia fazer. Basta reparar como o mercado automotivo ficou mais eficiente com a chegada de robôs na linha de produção ou como laboratórios podem fazer exames de saúde em maior escala e com maior confiabilidade ao utilizar sistemas computadorizados e automatizados.

Automação no direito e nos serviços jurídicos

É inevitável que a automatização chegue à maioria, se não a todos, os mercados e áreas de atuação, e o direito e o setor jurídico não estão imunes, com se pode perceber com a chegada de diversas startups de legaltech ou lawtech para atender esse público. O conselho que costumo dar aos nossos clientes é evitar remar contra a maré e buscar entender de que forma a tecnologia jurídica complementa ou até acelera a rotina dos escritórios.

Existem hoje diversos serviços jurídicos tecnológicos, que vão desde a automatização das buscas por processos anteriores e precedentes jurídicos (como o Digesto), até plataformas que automatizam as negociações de acordos para escritórios de advocacia, como a Justto.

Através da nossa plataforma, lidar com carteiras de contenciosos se torna uma atividade mais estratégica, já que as tarefas mais repetitivas da sua frente de acordos – como envio de comunicações em massa, elaboração de termos de acordo, obtenção de assinaturas e criação de relatórios – são feitas por algoritmos, permitindo aos advogados e especialistas ter mais tempo para se dedicarem ao refinamento das políticas de acordo, atendimento cuidadoso a casos sensíveis e até mesmo se posicionarem como conselheiros dos departamentos jurídicos dos seus clientes.

Atividades comuns das células de acordoTarefas que podem ser automatizadas com a JusttoAções estratégicas, feitas por advogados
Envio de comunicações em massa para negociar o acordo com a parte contrária x
Gerenciamento das comunicações com a parte contrária x
Coordenação de contrapropostas entre as partes x
Elaboração do termo de acordo de cada caso x
Coleta dos termos de acordo assinados x
Obtenção dos dados pessoais e bancários para pagamento dos acordos x
Criação de relatórios de performance da célula de acordo (acordos realizados, não realizados, taxas de eficiência…) x
Atendimento cuidadoso a casos de acordo sensíveis x
Acompanhamento de casos que fogem dos padrões x
Atendimento a partes que são avessas à tecnologia ou que têm pouca instrução jurídica X
Alinhamento e personalização das políticas estratégicas de realização de acordos x
Protocolamento e acompanhamento das negociações de acordo dos processos contenciosos x
Refinamento de políticas de acordo conforme indicações de relatórios anteriores x

Ou seja, se os robôs vão mesmo chegar ao mercado jurídico, que seja para realizar as tarefas duras e repetitivas do cotidiano, liberando mais tempo para que os profissionais possam se dedicar a criar instruções melhores para as tarefas que os bots executarão.

Com os robôs e a automatização, chega também a chance de poder ir pra casa descansar e curtir a família com a certeza de que a máquinas continuarão trabalhando direitinho, conforme as suas instruções. Não parece um futuro tão ruim assim, não é mesmo?